Publicado por: Alice (...e o Espelho Quebrado) | 14 de março de 2012

A Chuva

Então durante toda a tarde, o tempo se permitiu uma mudança. Era a chuva que vinha. Eu não me basto. Eu penso em vc. E só sinto. Sinto o vento que bagunça os meus cabelos, que brinca com minha roupa, que apavora os menos intimos.

Eu tenho um medo irracional. Mas que finjo que não sinto, ergo a cabeça e sigo adiante. Observo enquanto fecho a janela cautelosa com a chuva, a mocinha que corre na rua úmida, fugindo em um intervalo da chuva. Eu me irrito com a impossibilidade de fazer. De só tecer planos. De ter que esperar.

E vc sempre tão ocupado e eu com esse meu coração doendo, precisando de atenção. Mas não te incomodo com isso. Falo de amenidades, te faço rir. Penso, me aflijo, mas não te incomodo. Dobro-me na minha solidão.

E acho que será sempre assim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: